sábado, 25 de maio de 2013

Pedro Correia - Leftovers 2012

Mais um vídeo do micaelense Pedro Correia. Um especial destaque para a qualidade dos seus backflips!
Keep going Pedrim!!!!
 

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Jácome Correia - Mosteiros Railways

O título deste clip não podia ser mais adequado, aqui, o jovem micaelense Jácome Correia,  mostra que se adapta muito bem aos diferentes tipos de ondas e de surf. Numa onda que não é muito propícia a manobras aéreas, Jácome, apresenta o seu surf "rail to rail" em dia.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Ainda querem construir um Resort de 4 estrelas para Surfistas?

Notícia Lusa/AO Online / Regional / 06 de Mai de 2013, 11:57

Três locais nobres da ilha de São Miguel com hotéis inacabados e abandonados


"Ponta Delgada, Furnas e Sete Cidades, na ilha de S. Miguel, têm dois hotéis inacabados e um abandonado, motivando protestos das autoridades locais, que dizem estar em causa a dignificação de pontos turísticos por excelência dos Açores.
O presidente da Junta de Freguesia das Furnas, concelho da Povoação, Delmar Medeiros, considera que "foi cometido um crime" com a construção do Furnas SPA Hotel, que "destruiu as termas que estavam a funcionar" naquela que considera ser a capital do turismo açoriano.
"Além de se ter mexido com o património, ele funcionava, curava doenças e dava emprego e mexeu-se com a economia de uma localidade", afirmou.
O autarca (independente) falava à agência Lusa acerca do local onde funcionavam as famosas termas das Furnas, onde há cerca de sete anos se começou a construir o Furnas SPA Hotel. A obra está parada há cerca de três anos e o hotel nunca chegou a abrir.
"Por aquilo que tenho ouvido na sociedade, deram cabo das águas e, se isto é verdade, devia alguém responder criminalmente", defendeu, acrescentando que nunca foi ouvido num processo onde, na sua ótica, "se destruiu um monumento para se fazer um SPA que nunca funcionou e nunca irá funcionar".
O projeto é da Asta Atlântida, Sociedade de Turismo e Animação, SA, que resultou de uma parceria entre o Grupo Paim e o Grupo Martins Mota, tendo este último sido entretanto substituído pelo Grupo Machado.
"A empresa recebeu subsídios, a empresa recebeu dinheiro para pagar a funcionários, de maneira que era pegar na parte que eles erraram, responder por aquilo que fizeram e o Governo pegar naquilo, porque não há que dar mais oportunidades a quem não cumpriu minimamente com nada", disse Delmar Medeiros.